Curta e Siga


Por que idosos com Alzheimer se perdem?




M Nota / Stock.xchng

Um dos alertas mais perigosos sobre os efeitos do Alzheimer é a dificuldade em se localizar no tempo e no espaço, o esquecimento de tarefas cotidianas e as falhas frequentes de memória são sintomas comuns da primeira fase da doença. 

O Alzheimer ocorre quando os neurônios e as conexões entre eles (sinapses) começam a morrer progressivamente até afetar a cognição do indivíduo. A causa da doença ainda não foi identificada, mas a ciência já notou que há um acúmulo, na região, de duas proteínas – a beta-amiloide e a tau. 

A hipótese é de que o sistema nervoso central processa as duas substâncias de forma errada a ponto de gerar "restos" que se acumulam até afetar o funcionamento das células cerebrais e de suas conexões.

No cérebro, a primeira região afetada é o hipocampo, responsável pela localização espacial e pela linguagem. É por isso que, entre os sintomas comuns, além dos problemas para se orientar espacialmente, está a dificuldade em encontrar palavras em diálogos do dia a dia. 

O fato de o idoso sair para caminhar e se perder não significa necessariamente que ele não sabe o local de casa – pode indicar que ele apenas não recorda como chegar ou sair de lá. Se a pessoa sai caminhando automaticamente, chega um momento em que ela não reconhece o local em que se encontra. Assim, tem problemas para criar uma estratégia de retorno ao local de origem

É importante que familiares criem estratégias a fim de saber onde o idoso pode estar. Muitos objetos considerados comuns possuem sensores de localização que poderiam ajudar, incluindo veículo, celular, relógio e até sapato. Na impossibilidade dessas alternativas, é bom que a pessoa tenha uma pulseira com nome, endereço ou cartões com telefones na roupa.

Para evitar que a pessoa com Alzheimer se perca, evite deixar as chaves de casa sempre no mesmo lugar – o indivíduo perceberá e irá pegá-las na hora de sair. Vale também ter mais de uma porta de entrada para dificultar a saída do idoso, usar mais de um cadeado e instalar um alarme para alertar o cuidador.

Conforme a Associação Brasileira de Alzheimer (Abraz), cerca de 1,2 milhão de brasileiros têm a doença, quase o equivalente à população de Porto Alegre, de 1,4 milhão.  Caso você encontre uma pessoa que pareça perdida, tente conversar assuntos cotidianos e questione como ela está e se precisa de ajuda. Caso o indivíduo não entre na conversa e mesmo assim você perceba algo errado, insista em perguntas corriqueiras. Questione nome, idade e ano em que nasceu. Outra opção é indagar sobre o tempo presente:

Uma das perguntas que podem ajudar a identificar a doença é questionar o mês em que estamos. Salvo que seja 31 ou 1º do mês seguinte, pessoas sem Alzheimer sabem pelo menos o mês. Dia e ano podem causar confusões em pessoas idosas saudáveis.



Dicas para Profissionais:
  • + de 70 ebooks de Fisioterapia na Neurologia
  • Curso de Agulhamento a Seco (Dry Needling)
  • Curso - Aprenda Auriculoterapia
  • Curso - Aprenda Ventosaterapia

  • Nos Siga nas Redes Sociais: Twitter, Facebook, Instagram, Youtube . Adicione no grupo do Whatsapp

    Deixe seu comentário e nos marque(@Sua Saúde) pra gente ver:

    Nenhum comentário